Empadinha de Morango com Nutella

Nutella, inventado por Pietro Ferrero e colocado no mercado em 1964, tornou-se um verdadeiro fenômeno de massa.  Conheça a receitaswbb Todos os anos, os italianos consomem pelo menos 60 milhões de jarros, e todo mundo tem lembranças de correr secretamente para a cozinha, longe de olhares indiscretos, para procurar um pote bem escondido de Nutella e começar o ritual, espalhando sobre o pão ou comendo direto do pote.

História

Em 20 de abril de 1964, o primeiro frasco de Nutella saiu da fábrica da Ferrero em Alba. Suas origens, no entanto, remontam à década de 1940 e antes. Pelo menos a partir da década de 1920, os Ferreros – Pietro primeiro e Michele depois – buscaram a receita de um lanche de chocolate barato para ser comido com pão.

Pietro Ferrero, um confeiteiro de Turim, costumava assistir trabalhadores irem às fábricas trazendo pão com tomate e queijo para uma refeição. Ele pensou que, se pudesse dar a esses trabalhadores algo doce e barato para comer com pão, ele ganharia um dinheiro extra.

No Piemonte, na época, já havia uma espécie de chocolate feito com cacau e avelãs picadas: os “gianduja”. As avelãs são abundantes no Piemonte e os camponeses nem sabiam o que fazer com elas. Em 1925, Pietro Ferrero aperfeiçoou o chamado “pastone” de chocolate e avelãs (avô de Nutella), muito bom para comer com pão. É claro que, mais do que pelos trabalhadores, foi imediatamente apreciado pelas crianças, que se tornaram o mercado-alvo da Ferrero.

A guerra chegou, Pietro fechou sua loja em Turim e refugiou-se em Alba, onde continuou a trabalhar em sua ainda dura mistura de chocolate. No outono de 1945 ou início de 1946, ele encontrou em uma prateleira um pote esquecido de manteiga de cacau. Ele adicionou à mistura e criou o Pasta Gianduja (ou Giandujot ), que foi embalado na forma de um pequeno pão, embrulhado em papel alumínio, cortado em fatias e vendido a preços baratos.

Nutella e o mundo

O próximo passo veio quando se tornou expansível. Pietro Ferrero morreu em 2 de março de 1949 e foi substituído por sua filha Michele. Diz a lenda que no verão particularmente quente de 1949, o gianduja derreteu e alguns varejistas começaram a vendê-lo como um creme. Outra versão da lenda é que o produto derreteu em um armazém em Alba e eles foram forçados a transferi-lo para frascos. Desde aquele momento, o Ferrero alterou a fórmula e a chamou de “Supercrema”.

A marca Nutella

Em 1962, a Itália aprovou uma lei proibindo nomes com superlativos (como super-, ultra-, stra-) para produtos de consumo. Ferrero teve que escolher um novo nome de marca: “Nutella”, registrado em outubro de 1963, veio da fusão da palavra inglesa “nut”, do ingrediente tipicamente italiano de avelã no gianduja, com o sufixo italiano “ella”. A combinação vencedora veio com as cores: o preto “N” e as outras letras em vermelho. O primeiro frasco foi lançado em 20 de abril de 1964, iniciando a era Nutella.

Sucesso

Nos anos seguintes, Nutella se tornou um mito, um fenômeno global. Em 1967, os lendários anúncios de TV Carosello desenvolveram uma campanha de grande sucesso e a Itália se apaixonou por Nutella. Nos anos setenta, Nutella emigrou e crianças de outros países começaram a apreciar Nutella como uma cura para pequenas tristezas e um antídoto para a depressão e a solidão.

Como isso aconteceu? A aura que Ferrero conseguiu construir em torno deste produto é incrível. A singularidade da Nutella não se deve à qualidade do produto ou à relação qualidade/preço, mas à publicidade. Muitas tentativas de imitar a receita falharam miseravelmente, não porque Nutella é inacessível do ponto de vista da qualidade, mas porque ninguém foi capaz de produzir algo igualmente atraente pelo mesmo preço.

Na imaginação popular, Nutella agora é o líder absoluto e todas as imitações são vistas como inferiores. Hoje, a publicidade visa diretamente às necessidades sociais e psicológicas com novos slogans como: “Como seria o mundo sem Nutella?”

Nutella é certamente um produto lendário, conhecido e apreciado em todo o mundo. Mas é realmente um produto de qualidade?

Como a Coca-Cola e outras empresas, Ferrero tem uma receita secreta, cuidadosamente protegida na fábrica oficial de Alba. A manteiga de cacau de 1945 foi substituída por uma “mistura de óleos vegetais”, que é um dos segredos mais bem guardados da empresa.

Para não violar o segredo, Ferrero optou por perder algumas ações judiciais (uma nos EUA) visando a impossibilidade de identificar os misteriosos “óleos vegetais”. Os ingredientes da receita do rótulo italiano são: açúcar (56%), óleos vegetais (19%), avelãs (13%), cacau, leite em pó desnatado (6,6%), soro de leite em pó, lecitina de soja (emulsificante), vanilina.

Ingredientes da massa

  • Meia colher de sopa de fermento em pó
  • Uma caixinha de creme de leite
  • Cem gramas de manteiga
  • Um quarto de xícara de açúcar refinado
  • Duas pitadas de sal
  • Duas xícaras de farinha de trigo comum

Ingredientes do recheio

  • Um quarto de xícara de açúcar
  • Cem gramas de morando
  • Uma gema de ovo inteira
  • Uma colher de chá de limão espremido
  • Trezentos e cinquenta gramas de Nutella

Modo de preparo da massa

Misture o açúcar com o sal, a manteiga e a farinha de trigo em um recipiente. Misture e depois coloque o creme de leite, até ficar homogêneo. Após, coloque o sal e repita o procedimento.

Reserve um terço da massa para fechar a parte de cima das empadas, depois uma parte da massa e forre todas as formas de empadas. Depois de furar a massa leve trinta minutos no forno.

Modo de preparo do recheio

Adicionei o morango, com o limão e o açúcar em uma panela, amassando todos os morangos. Deixe essa mistura reservada por cinco minutos descansando.

Modo de preparo da montagem

Depois que tirar as empadas do forno basta rechear elas com o morando e um pouco de nutella. Então feche todas elas e pincele a gema do ovo já batida na superfície. Leve ao forno por cinquenta minutos e depois é só servir, quente ou fria!